Alvo de operação por suspeita de tentativa de golpe, major da reserva é afastado de empresa pública de SP

  • 13/02/2024
Militar sofreu busca e apreensão e é investigado por produzir e divulgar fake news sobre urnas. Controlador-Geral do Estado participou de reunião com Bolsonaro e ex-ministros, mas foi mantido no cargo e nega ilegalidade. Bolsonaro é alvo de operação da PF que investiga tentativa de golpe de Estado A gestão do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP) afastou o major da reserva do Exército Angelo Martins Denicoli das funções que ocupava na Prodesp, empresa pública de TI do estado de São Paulo, após o militar ter sido alvo de busca e apreensão na Operação Tempus Veritatis, deflagrada pela Polícia Federal na última quinta-feira (8). Denicoli é investigado no inquérito que apontou tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito no governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). No relatório que sustentou a operação, a Polícia Federal afirmou que o major da reserva faria parte de um núcleo de "desinformação" do esquema. Segundo a PF, Denicoli atuou na produção, divulgação e amplificação de notícias falsas sobre o processo eleitoral. A Polícia Federal aponta sua interlocução com o Fernando Cerimedo, responsável por uma live com ataques às urnas. O major do Exército era assessor especial na Prodesp e precisou entregar seu passaporte por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes. Na gestão do ex-ministro Eduardo Pazuello, o militar também foi diretor do Departamento de Monitoramento e Avaliação do Sistema Único de Saúde (SUS) do Ministério da Saúde. Em nota, a Prodesp apenas confirmou o afastamento do funcionário e não deu detalhes do período em que ele ficará fora das funções nem se continuará recebendo salário R$ 32 mil, como aponta o Portal da Transparência do estado de São Paulo. A GloboNews tentou contato com Denicoli, mas até esta publicação ele não havia sido encontrado. Como operações da PF levantaram provas e fecharam cerco sobre Bolsonaro e auxiliares; entenda ponto a ponto Governo de SP mantém Controlador-Geral que questionou gravação Já o ex-ministro-chefe da Controladoria Geral da União (CGU) e atual Controlador Geral do estado de São Paulo Wagner Rosário foi mantido no cargo pelo governador Tarcísio de Freitas apesar de ter participado de uma reunião citada pela PF como um dos capítulos sobre a suspeita de participação de militares e ex-ministros na tentativa de golpe de Estado. A reunião do dia 5 de julho de 2022 foi gravada. O vídeo é uma das peças que embasaram a operação da PF. No encontro, Rosário sinalizou preocupação de o encontro estar sendo gravado. Ele chegou a interromper a própria fala para questionar se estava sendo gravado. "Essa junção de Polícia federal, Forças Armadas e CGU tem que fazer urgente, urgente. As outras equipes, a gente chegar a um consenso assim... tem qu. ser, porque já não temos garantia disso. E aí já não são as Forças Armadas falando, são três instituições. A gente tem que se preparar para atuar como força-tarefa nesse negócio", diz Rosário. Na sequência, ele pergunta sobre a gravação. O ex-presidente Bolsonaro e Braga Netto, ex-ministro-chefe da Casa Civil, fazem sinal de negativo com o dedo. Rosário: "A reunião está sendo gravada?" Braga Netto: "Não" O ex-ministro da Casa Civil olha para Bolsonaro e faz o sinal de negativo com a mão. Bolsonaro repete o mesmo sinal. "Eu mandei gravar a minha fala", disse Bolsonaro. O discurso do ex-presidente ocorreu no início da reunião, antes de o microfone ser passado aos demais presentes. Ao "confirmar" que a reunião não era gravada, Wagner Rosário continua sua fala sobre a segurança das urnas eletrônicas. "O TCU já soltou um relatório dizendo que as urnas são seguras. O relator foi o Bruno Dantas (ministro do Tribunal de Contas da União)", falou Rosário. Bolsonaro toma a palavra e pede aos presentes da reunião que articulassem para que órgãos como a Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União (CGU), e até entidades externas como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), fizessem uma nota afirmando que seria "impossível" atingir as condições necessárias para garantir a lisura das eleições de 2022. Apesar da investigação da Polícia Federal e trechos da reunião terem sido usados na representação que resultou na operação, o governador Tarcísio de Freitas manteve Wagner Rosário no cargo de Controlador-Geral do Estado. Oficialmente, o governo de São Paulo não comentou a investigação. Em nota enviada à GloboNews, Wagner Rosário disse que tudo o que foi dito durante a reunião quando ocupava o cargo de CGU "teve como objetivo a garantia de que as eleições transcorressem com normalidade, e que houvesse fiscalização que garantisse plena segurança, transparência e confiabilidade para o processo eleitoral". Ele complementa ao dizer que "qualquer outra leitura acerca do que foi dito trata-se de mera ilação". VÍDEOS: mais assistidos do g1

FONTE: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2024/02/13/alvo-de-operacao-por-suspeita-de-tentativa-de-golpe-major-da-reserva-e-afastado-de-empresa-publica-de-sp.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

No momento todos os nossos apresentadores estão offline, tente novamente mais tarde, obrigado!

Top 5

top1
1. Venha Me Amar

Calcinha Preta

top2
2. Malvada

Zé Felipe

top3
3. Cabeça Branca

Tierry

top4
4. A Maior saudade

Henrique e Juliano

top5
5. Já deu Certo

Zé Vaqueiro

Anunciantes